08/08/2014

Das coisas que não se medem

Ontem a minha amiga R.M. daqui perguntava-me se já tinha escrito à Cocó por causa deste post, respondi-lhe que sim, não fosse eu leitora daquele blogue há muito tempo e solidária com a situação, bem sei o quanto sabe bem uma mensagem de força, escrevi a dizer-lhe que sabia o que estava passar, que também tinha estado de cama na gravidez, que nós mulheres e mães conseguimos tudo sempre de sorriso na cara e para ter pensamento positivo e não me alonguei mais não entrando em qualquer pormenor da minha experiência.

Mas não foi a única a comentar este assunto comigo, mais uma amiga comentou comigo o assunto acabando o mesmo com: Aquilo que tu passaste não tem comparação, contigo foi muito pior! 

Há coisas na vida que só se entendem a longo prazo e eu aprendi que há experiências de vida que não têm forma de ser medidas, não há forma de se quantificar,  e a realidade é que existem milhares de mulheres com experiências idênticas ou piores à minha, e certamente algumas delas podem achar que a experiência delas foi muito mais difícil do que a minha, eu própria pensei isso (presunçosa), pensava que a minha experiência era muito pior do que a da grávida do quarto ao lado por isto ou por aquilo. Claro que não foi, cada experiência é uma experiência, muitas das vezes a dificuldade em ultrapassar depende da nossa disposição para enfrentar a situação e eu fui, apesar de tudo, sempre bem resolvida, ou era isso ou dar em doida, optei pela primeira opção.

E foi por isso que não me alonguei muito nas minhas palavras, estas experiências além de fisicamente mexem com outros "mente" tais como psicologicamente, familiarmente, amorosamente e por ai fora, e o que é para mim não é para ti.

Sem comentários:

Publicar um comentário