27/11/2014

Semelhanças...

Durante a gravidez do V. diziam-me várias vezes que era uma valente, uma corajosa por vezes ouvia até, uma heroína.

Fui? Não, claro que não.

Mais do que uma amiga me disse que não aguentava o que eu passei, que lhes era impossível permanecer numa cama durantes meses.

Ai não, então? Qual era a solução? Qual era a mãe que não fazia exactamente o que eu fiz? 

Uma amiga que no outro dia falava sobre mim a terceiros, defendia fervorosamente a minha valentia, que me comparava, e que rematou com: e estava sempre de sorriso na cara. Que suspeita!

Enfrentei a situação sempre com pés na terra, sempre de cabeça fria e sempre a acreditar que o dia seguinte seria melhor que o anterior, nunca me entreguei, nunca me deixei trair pelos vários contratempos, se foi difícil? Sim foi, tanto, muito, imenso, mas afinal de contas acontecesse o que acontecesse eu já era mãe, eu já tinha uma filha que precisava de mim e tinha que estar bem nem que fosse só psicologicamente para e por ela.

Tive muitos baldes de água fria, muitas desilusões, como quando achava que íamos no bom caminho e voltávamos à estaca zero, 7 internamentos, e cada vez que dava entrada no hospital e até ao momento em que aquele ecografo encontrava um coraçãozinho a bater eram momentos tortuosos.

Nada do que passei faz de mim uma heroína, quis a natureza que as coisas fossem desta forma e tive que me conformar com isso.

A forma como encarei a situação não faz de mim pior ou melhor, as coisas são como são, sempre me foi incutido pela minha Mãe o espírito de que: o que tem que ser tem muita força; o que tiver que acontecer acontece; o caminho é para a frente; não dar importância ao que não importa; não perder tempo com o que não vale a pena; há coisas piores; não me entregar; a dor e o que sentimos não tem hierarquia; não és mais do que os outros...

Confesso que quando era mais nova me irritava esta maneira de ser da minha Mãe, este sentido pratico e calculista que a meu ver até roçava a frieza, gostava que ela às vezes me passasse a mão na cabeça e me deixasse mergulhar nas minhas mágoas, mas não, a resposta era sempre, mas que importância é que isso tem? Mas isso é um problema? Hoje percebo a sua intenção e agradeço, e não, ela afinal não é calculista nem fria, ela simplesmente não quis uma filha frágil e por vezes insegura como ela o é.

Afinal nem todas as Mães querem/criam os filhos à sua semelhança!

Sem comentários:

Publicar um comentário